domingo, 2 de junho de 2013

Monstros asquerosos!


Centenas de elefantes estão sendo mortos por caçadores ilegais na África

por

“ De todos os animais, o homem é o único que é cruel.
Ele é o único que inflige dor pelo prazer de fazê-lo.
 ” - Mark Twain


elefantedestaque2
Estas fotos chocantes mostram a extensão da caça ilegal de elefantes na África nos últimos anos.
Pelo menos metade da população de elefantes na reserva Bouba N’Djida na República dos Camarões foi abatida porque a nação do Oeste Africano enviou poucas forças de segurança para enfrentar os caçadores furtivos, informa o Fundo Mundial para a Natureza (WWF).
No que foi descrito como um dos piores massacres da caça ilegal em décadas, pelo menos 200 elefantes foram mortos por suas presas desde janeiro por caçadores a cavalo do Chade e do Sudão.
Em seu terror, os elefantes devem ter procurado a segurança na manada – em vão: um espesso rastro de sangue enegrecido traçou seus momentos finais.
Em dezembro, nove elefantes foram mortos na reserva do Tsavo National Park, no sudeste do Quênia. Este mês, uma família de 12 elefantes foi morta a tiros na mesma área.
Em ambos os casos, os rostos dos elefantes tinham sido arrancados para remover as presas. O resto foi deixado para as larvas e as moscas.
 elefante1
Recentemente, 86 elefantes foram mortos por caçadores furtivos – incluindo 33 elefantas prenhez e 15 filhotes – no Chade, África Central. O jornal inglês Dailymail informou que os caçadores a cavalo usavam metralhadoras para matar os animais selvagens. Os caçadores então passaram a cortar as presas dos elefantes e deixar seus corpos para apodrecer onde estavam.
“Esse é um número grande para um único incidente”, disse Samuel Takore do Serviço de Vida Selvagem do Quênia (KWS). ”Nós não tivemos um incidente desse tipo nos últimos anos.
Sr. Takore ingressou na década de 1980, e suas observações corroboram um padrão mais amplo: em toda a África, a caça furtiva de elefantes está agora em seu nível mais elevado em 20 anos.
Durante a década de 1980, mais da metade dos elefantes africanos estavam sendo dizimados, principalmente por caçadores de marfim.
Mas em janeiro de 1990, os países de todo o mundo, assinaram um convênio para uma proibição internacional sobre o comércio de marfim. A demanda global diminuiu em face de uma campanha de conscientização pública mundial.
População de elefantes começou a crescer novamente, mas nos últimos anos, os avanços têm sido revertidos.
De acordo com o Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal (IFAW), caçadores abateram 300-400 elefantes para suas presas nos Camarões desde 2012, até 200 em um um único parque. Aqui é apenas um dos mortos
De acordo com o Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal (IFAW), caçadores abateram 300-400 elefantes para suas presas nos Camarões desde 2012, até 200 em um um único parque. Aqui é apenas um dos mortos

China é a culpada?

Estima-se que 25 mil elefantes foram mortos em 2011. Os números de 2012 ainda estão sendo compilados, mas ele será ainda maior.
Ativistas estão apontando o dedo da culpa para a China.
“A China é o principal comprador de marfim no mundo”, disse o Dr. Esmond Martin, um conservacionista e pesquisador que passou décadas rastreando o movimento do marfim ilegal em todo o mundo.
Ele retornou recentemente da Nigéria, onde realizou uma pesquisa visual de marfim à venda na cidade de Lagos. Seus resultados são surpreendentes.
Dr. Martin e seus colegas contaram mais de 14.000 itens de marfim trabalhado ou cru em um único local, o mercado Lekki em Lagos.
O último levantamento, realizado no mesmo mercado, em 2002, contou com cerca de 4.000 itens, representando um aumento de três vezes em uma década.
De acordo com as conclusões do inquérito, que foi compartilhada exclusivamente com a BBC, a Nigéria está no centro de um crescente comércio de marfim Africano ilegal.

A segurança tem sido incapaz de impedir o massacre realizado por caçadores a cavalo, do Sudão e do Chade
A segurança tem sido incapaz de impedir o massacre realizado por caçadores a cavalo, do Sudão e do Chade
Em 2011, o governo nigeriano introduziu uma legislação rigorosa para reprimir o comércio de marfim, o que torna ilegal exibir, anunciar, comprar ou vender marfim.
E ainda assim, diz o Dr. Martin, Lagos tornou-se o maior mercado retalhista de marfim ilegal na África.
“Há marfim se movendo por todo o caminho do leste da África, do Quênia a Nigéria”, disse ele. ”Os nigerianos estão exportando presas para a China. Países vizinhos estão exportando lotes de marfim trabalhados (a Nigéria).”
“Portanto, é um grande entreposto para tudo, desde presas cruas até trabalhadas, tudo está sendo exportado para a China.”

Marfim: comércio ilegal
Marfim: comércio ilegal

Paramilitares e os caçadores

A BBC visitou o Mercado Lekki em Lagos. Coim uma câmera escondida, um repórter do serviço chinês da BBC foi imediatamente abordado.
Falando chinês mandarim, um comerciante nigeriano ofereceu “xiang ya” – “de marfim”. Havia pilhas de itens esculpidos para venda, pulseiras de marfim, pentes, pauzinhos, e cordões de pérolas.
Outro comerciante ofereceu duas presas inteiras, à venda por US $ 400 dólares por quilo. Quando perguntado o quanto de marfim ele poderia fornecer, respondeu que poderia oferecer 100 kg ou mais.
Aumento da prosperidade na China, juntamente com um grande fluxo de trabalhadores e investidores chineses na África, fez a procura pelo marfim subir exponencialmente.
Quênia executa um dos mais eficazes esforços anti-caça na África.
Bem como os KWS (estatal serviço de proteção da vida selvagem) as comunidades locais e unidades de conservação privadas estão fornecendo os seus próprios guardas armados.
The Northern Rangelands Trust é uma das organizações. Ela tem uma “Unidade de Resposta Rápida” de cerca de uma dúzia de homens armados, que acampam no mato espinhoso do norte do Quênia após rastrear manadas de elefantes e caçadores.
A unidade é, essencialmente, um estado-sancionado de força paramilitar. O comandante, Jackson Loldikir, e seus homens usam roupas camufladas e estão armados com fuzis Kalashnikov.
Sr. Loldikir diz que prender caçadores é um desperdício de tempo - seus homens atiram para matar
Sr. Loldikir diz que prender caçadores é um desperdício de tempo – seus homens atiram para matar
Loldikir diz que prender caçadores é um desperdício de tempo. Processos são raros e é provável que o caçador saia com uma pequena multa.
E por isso que Loldikir e seus homens dizem que são forçados a tomar medidas mais drásticas.
“Quando encontramos um caçador, só matamos”, disse ele. ”É a única forma de proteger os animais, apenas matando o caçador.”
Lesões, até mesmo mortes, não são incomuns, em ambos os lados.
“Em maio, ouvimos um tiro. Nós pegamos cinco caçadores furtivos. Eles tinham matado um elefante. Assim, atiramos neles. Nós matamos um e recuperamos duas armas. E um dos nossos soldados também foi ferido.”
Mas os caçadores parecem implacáveis. Conservacionistas no Quênia estão alertando que no ritmo atual, os elefantes poderiam desaparecer em breve da vida selvagem.
“Se o preço continuar a subir, a matança de elefantes também continua, dentro de 15 anos não haverá nenhum elefante livre no norte do Quênia, eu tenho certeza”, disse Ian Craig, que trabalha na Northern Rangelands Trust.
“Onde quer que haja elefante desprotegido e há armas de fogo, as pessoas estão indo para matá-los. Eles valem muito dinheiro.”
E o que se aplica para o Quênia também se aplica para o resto da África.
Em um continente onde as armas são abundantes e a pobreza é generalizada, as recompensas de caça simplesmente superam os riscos.

Crueldade: Até os filhotes estão sendo mortos pelos caçadores
Crueldade: Até os filhotes estão sendo mortos pelos caçadores

Bilionários caçam por diversão

As figurinhas abaixo são filhos do bilionário americano Donald Trump. Trata-se de Eric e Donald Trump Jr, e gostam de fazer viagens à África para caçar por puro hobbie. Quem sabe um dia, suas cabeças não virem troféu na sala de alguém.

elefante8elefante9 elefante10



Link:


http://384ac.com.br/meio-ambiente/centenas-elefantes-sendo-mortos-cacadores-ilegais-africa/#





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário